Tendências: preparando o olhar para ver o que muda e o que permanece

reginamachadoEu tive a oportunidade de realizar pesquisas de tendências e comportamento de consumo para o IBGM durante dezesseis anos.

Durante todo esse tempo eu visitei e analisei, seguidamente, ano após ano as maiores feiras de joias do mundo. A cada visita eu percebia que o meu olhar ficava menos inocente e mais interessado nos pequenos detalhes. Fui entendendo que era lá que estavam, escondidas num jogo de sutilezas, as diferenças dos novos lançamentos. Mesmo quando delicadas, as mudanças são sempre muito significativas.

Estamos aprendemos que não só o que é modificado é informação importante. Também o que permanece entre os lançamentos deve ser considerado dado fundamental para a observação do nosso setor.

Temos que estar atentos para perceber o significado da mudança de um tema românico de buquês de flores para uma abordagem de uma flora mais selvagem, mesmo que permaneçam as flores; de um padrão clássico abstrato para uma certa glamourização de uma forma específica da geometria, mesmo que ainda estejamos lidando com a abstração.

Hoje entendemos que estão sendo realizadas, sem grandes rupturas, mudanças importantes no uso dos diamantes e na mistura das gemas preciosas com materiais menos extraordinários. Estamos acompanhando os avanços nos processos que agregam valores de inovação aos materiais e que, muitas vezes, a mudança pode estar somente na forma de se lapidar e se destacar a importância de um quartzo, possivelmente brasileiro, para o olhar do mercado joalheiro internacional.

Com a continuidade dessa experiência eu aprendi a ficar menos ansiosa por antecipar grandes mudanças radicais do tipo: no próximo ano a tendência vai ser mais ouro branco ou ouro amarelo? As pérolas continuam? Entendi que a complexidade dessas respostas não é de fácil comunicação. Por isso temos que saber de onde viemos para saber para onde vamos. E principalmente com quem estamos falando.

É muito prazeroso o diálogo entre entendidos, pesquisadores e criadores apaixonados pelo mesmo tema. Mas é fundamental que a nossa fala possa ser entendida e que possamos comunicar o nosso encantamento para todos.

Notícias